] Centro Médico Cotia Informa - O câncer tá na cara, mas às vezes você não vê

Notícias: O câncer tá na cara, mas às vezes você não vê


O 27/07 é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço e através de campanhas educativas, as entidades como a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP) tem como objetivo incentivar a população não apenas a ter hábito saudáveis para evitar o aparecimento de câncer, mas também promover o diagnóstico precoce!

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCa), estima-se que a cada ano sejam diagnosticados 640 mil novos casos de câncer. Sendo o de cabeça e pescoço, o segundo mais recorrente em homens (8,9%) e o quarto com mais incidência em mulheres (6,3%), com exceção do câncer de pele não melanoma, que também é considerado câncer de cabeça e pescoço e um dos que mais matam a população. 

Ainda segundo o INCa, é esperado a cada ano 43 mil novos casos de câncer de cabeça e pescoço no Brasil. São 10 mil mortes ao ano, decorrentes do câncer de laringe e cavidade oral. Tudo isso decorrente do diagnóstico tardio.

Para mudar essa realidade, a SBCCP quer orientar a população estar atenta aos primeiros sinais. Para detectar, basta se direcionar ao posto público mais próximo de sua casa e procurar por um especialista de cabeça e pescoço. Este tipo de câncer, se tratado tardiamente, deixa sequelas e o tratamento fica muito caro.

Mudanças de hábitos, como alimentação saudável, prática de exercícios físicos, ter uma boa higiene pessoal, cuidados com exposição solar, não fumar, consumir bebida alcóolica com moderação e manter relações sexuais com preservativos podem contribuir e muito para a prevenção do câncer de cabeça e pescoço.

Prevenir é simples. O melhor remédio contra o câncer é a prevenção e a informação!

O câncer de cabeça e pescoço são tumores que nascem nas regiões aerodigestivas (amígdalas, boca, bochechas, faringe, gengivas, laringe, língua e seios paranasais) e podem ser prevenidos e diagnosticar seus sintomas.

Atenção a feridas na boca ou na pele que não cicatrizam, mau hálito frequente, garganta irritada, dificuldade para mastigar ou engolir e rouquidão por mais de duas semanas. Ao identificar os sintomas, procure um médico. 






Compartilhe